Na última semana, foi realizada uma visita no Polo Benfica com o objetivo de identificar as diferentes espécies e variedades de pimentas Capsicum produzidas por agricultores familiares que cultivam e comercializam sua produção no município de Rio Branco e adjacências e observar os tratos culturais e estruturas que são utilizadas.

Como toda a produção é orgânica, a confecção de compostos utilizados na adubação é feita na própria propriedade utilizando de folha e capinas que resultam em um adubo de alta qualidade, com custos menores de produção e redução de impactos ambientais.

Na propriedade conhecemos a família do Miguel e Marlinda, moradores da localidade há mais de 20 anos. O casal comercializa seus produtos na Feira Orgânica de Rio Branco localizada na Rua Benjamin Constant com a Rua Sergipe, em frente ao Terminal Urbano.

Durante a visita foi mostrado os principais produtos comercializados na Feira Orgânica como a alface, rúcula, cheiro verde e a pimenta e seus subprodutos característicos.

 

Etnobotânica das pimentas

Com as variedades Chocolate(A), Olho de peixe(B), Malagueta(C), Pimenta de mesa(D) e Pimenta de cheiro(E) à atividade de campo se focou em realizar um levantamento etnobotânico descrevendo as características botânicas, vegetativas, reprodutivas, observação das flores e frutos como importância na discriminação das espécies encontradas na propriedade.

Esta pesquisa tem como objetivo avaliar a diversidade de acessos de pimentas Capsicum do Acre através de descritores botânicos e agronômicos sob dois sistemas de cultivo abrindo a possibilidade de oferecer um produto de qualidade durante o ano todo, inclusive na entressafra, através da otimização no uso dos recursos naturais e redução no uso de agrotóxicos. Esta pesquisa visa proporcionar ganhos em produtividade o que contribui para a fixação do homem no campo, diminuindo o êxodo rural e gerando emprego.

Desta forma, as variedades e os modos de aproveitamento das pimentas são estudados através de questionários, visitas em campo (roçados e quintais), observação das práticas de manejo e coleta de material, itens  indispensáveis para analisar a importância de proceder a estudos mais detalhados, sob o enfoque da botânica econômica e da etnobotânica das pimentas de Rio Branco.

A visita faz parte da proposta do projeto- CHAMADA MCTIC/MAPA/MEC/SEAD/CNPq – Edital 21/2016, executado pelo CVT Agroecologia sob orientação da professora Rosana Cavalcante e com o projeto “Levantamento Etnobotânico das Pimentas Capsicum em Rio Branco” com orientação da Professora da Universidade Federal do Acre Valquíria Garrote. A execução da aplicação de questionário foi realizado pela bolsista da UFAC Flávia Maria e a voluntária no projeto Hérica Magalhães. Participaram também da visita a Bolsista do CVT Agroecologia Cristina Sá, a estudante da Pós-graduação em Agricultura Familiar do IFAC Tawanny Lima e a bolsista da Embrapa Jakeline rocha.

 

 

 

CVT Agroecologia realiza visita no Polo Benfica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *