O encontro ocorreu em Sergipe entre os dias 4 e 7 de novembro de 2019 e o lema desta edição é “Ecologia de Saberes: Ciência, Cultura e Arte na Democratização dos Sistemas Agroalimentares”.

Desde 2003, o Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA) vem sendo realizado com participação ativa e ampla de instituições de ensino, pesquisa e extensão e a sociedade civil organizada envolvida com as demandas da agricultura familiar e lógicas familiares de produção, em geral. Inicialmente pensado como espaço de valorização da agroecologia como ciência, o CBA vem amadurecendo como verdadeiro espaço de diálogo entre os conhecimentos científicos e práticos, construído por todos os parceiros da agricultura familiar e camponesa, no Brasil e no mundo.

Nos quatro dias de Congresso, realizado de 4 a 7 de novembro na Universidade Federal de Sergipe (UFS), Campus São Cristóvão, tiveram 2100 trabalhos aprovados e 1900 apresentações, distribuídas em 73 Tapiris de Saberes, dentro de 16 eixos temáticos. Um grande evento.

A docente do IFAC Giomar Diniz destacou o Estudo da produção de feijão na RECM, e as questões relativas ao seu consumo e distribuição. Pode-se concluir que o cultivo de feijão no interior da RECM é realizado de forma agroecológica; se restringe, quase que em sua totalidade, ao cultivo de feijão comum da variedade Rosinha, e em menor expressão, do feijão-caupi; devido ao custo-benefício do comércio, o foco principal da produção é o autoconsumo e que ao longo dos anos nota-se um processo de “criolização” da variedade introduzida do mercado.

O pesquisador da EMBRAPA Amauri Siviero apresentou o trabalho intitulado  Duplicidade de etnovariedades de mandioca utilizadas na produção de farinha no Acre. O estudo foi realizado durante a safra 2018/2019, descrevendo de caracteres botânicos e agronômicos em duas regiões distintas do Acre. Após a comparação dos caracteres agronômicos, botânicos e moleculares é possível concluir que os quatro genótipos Caboquinha, Paxiubão, BRS Ribeirinha e Pirarucu são redundantes entre si. Os descritores qualitativos e quantitativos bem como os marcadores microssatélites foram eficientes para avaliar os genótipos redundantes.

Com a mesma tematica, o estudante da UFAC Campus Cruzeiro do Sul, Vagner Oliveira abordou a  Coleta, identificação e conservação de variedades locais de mandioca no vale do Juruá, Acre e a Caracterização botânica-morfológica de mandioca (Manihot esculenta) no Vale do Juruá, Acre.

Pesquisador EMBRAPA/RO Francisco Leônidas,Pesquisador da EMBRAPA/AC Amauri Siviero, o estudante da UFAC Cruzeiro do Sul Vagner Oliveira, a bolsista do CVT Cristina Sá e as Docentes do IFAC Joana Dias e Guiomar Diniz.

 

Equipe CVT Agroecologia participa do XI CBA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *